Situados em Montijo, dispomos de um serviço personalizado, altamente qualificado e focado nos nossos sócios, num espaço tão harmonioso que promete deslumbrar…

+351 212 311 317 Cais do Seixalinho, 2870-491 Montijo Seg a Sex: 7h - 23h Sáb: 9h - 20h Dom: 9h - 13h
Siga-nos
Image Alt

PumpAddicted

Harmonia entre o Corpo e a Mente

Umas vezes questões de auto-estima, outras de “escape” e até “descarregar energias”. Sentimo-nos mais leves depois do exercício físico. É terapêutico e dá-nos força para enfrentar o que dO que te fez começar a treinar?
Parece que todos temos um motivo válido que nos fez chegar até aqui: “é um hobby”, “o exercício físico é saudável”, “sempre fiz desporto”, etc.

Mas sabemos que maior parte das respostas têm um foco mais relacionado com o nosso mundo interno: umas vezes questões de auto-estima, outras de “escape” e até “descarregar energias”. Sentimo-nos mais leves depois do exercício físico. É terapêutico e dá-nos força para enfrentar o que deixámos em casa, no trabalho.

O nosso corpo como único torna-se numa ferramenta para a relação com o outro. Não falamos só do corpo biológico e anatómico, mas é o corpo que é olhado, o corpo relacional. Esta premissa é um dos motivos que nos faz procurar o exercício físico: sentirmo-nos bem não só connosco, mas com os outros.
Quando nos dizem que “difícil é começar”, é verdade. Aceitar que tem de haver mudança nunca foi fácil para o ser humano, mesmo sabendo que é uma mudança para o melhor, mesmo sabendo que depois de irmos treinar saímos revitalizados. Há uma resistência. É difícil porque exige de nós um compromisso e uma responsabilização dos nossos atos.

Marca já a tua consulta de psicologia

    Marcar

    Arrastamos, às vezes durante anos, um sentimento de tristeza, vazio ou ansiedade e dizemos só que “hoje não me apetece ir treinar”. Mal nós sabemos que é na harmonia do nosso corpo e da nossa mente que está a felicidade. Nunca a frase “corpo são, mente sã” fez tanto sentido. Não podemos esperar sentirmo-nos bem emocionalmente quando estamos doentes, lesionados ou até cansados. Da mesma forma, o nosso corpo pode reagir ao nosso mal-estar psicológico através dores de cabeça, falta de ar, taquicardia, tremores e tantas outras formas. A exposição e a elaboração da nossa parte emocional terão resultados positivos ao nível físico: o corpo adquire uma maior liberdade e há uma diminuição ou até um desaparecimento do que nos bloqueou durante tanto tempo. Torna-se um corpo funcional.
    O equilíbrio deve ser o nosso foco. Devemos parar, pensar e começar a ouvir a nossa mente e o nosso corpo. Dois indicadores que nos vão dizer o que precisamos, como agir e até quando devemos pedir ajuda. É desta forma que aprendemos a cuidar de nós.

    Inês Barreira,
    Psicóloga